Construção Civil Indústria

Episódio 01 – Série Especial EPI: Proteção dos Pés

Escrito por Fernanda Silva

A necessidade de se atentar as normas exigidas para proteger mãos e cabeça no ambiente de trabalho também se aplica aos pés. Saiba tudo clicando aqui.

A necessidade de se atentar as normas exigidas para proteger cabeça, olhos, ouvidos e mãos no ambiente de trabalho também se aplica aos pés. Conheça agora todos os riscos que o trabalhador corre durante a jornada de trabalho e como se proteger contra umidade, queda de objetos e muito mais.

imagens-ilustrativa-de-luvas-a-ser-usadas-na-cozinha-epi-em-latex-e-antitermica-mais-usada-na-cozinha-industrial

Assim como proteger as mãos de choques térmicos, a cabeça da queda de objetos, os ouvidos de ruídos, é importante usar botas de proteção para que o trabalhador não sofra acidentes causados por derrapagem em locais úmidos, quedas de objetos em construção civil ou por choques térmicos em estações de energia.

 

botas-protecao-PVC-bota-de-bico-bota-de-seguranca

 

O que são?

São os equipamentos de EPI próprios para proteção dos pés dos trabalhadores.

Conforme a NR-6, os calçados são classificados de acordo com os riscos aos quais os trabalhadores são expostos.

Um exemplo é o trabalho feito em locais úmidos, onde são indicados o uso de botas de segurança impermeável. A empresa é obrigada a fornecer bota de proteção aos seus funcionários conforme as 9 NBR’s que definem parâmetros para orientar o uso de cada tipo de calçado de acordo com o risco exposto:

  • Calçado de proteção –12561/92;
  • Calçado de proteção – determinação de resistência a deformação em biqueiras de proteção – 1257/92;
  • Calçado de proteção – determinação das medidas da biqueira de proteção – 1257/92;
  • Calçado de proteção  – determinação das medidas da palmilha à prova de perfuração – 12573/92;
  • Calçado de proteção – determinação da resistência à flexão em palmilha á prova de perfuração – 12574/92;
  • Calçado de proteção – determinação da resistência à perfuração em palmilha á prova de perfuração  – 12575/92;
  • Calçado de proteção – determinação da resistência do solado à passagem da corrente elétrica – 12576/92;
  • Calçado de proteção – determinação da absorção de energia na região do calcanhar – 12577/92;

Exigências técnicas de segurança para construção de calçado de proteção – 12594/92.

  • Mecânicos: Choques, perfurações, quedas de objetos, esmagamentos e picadas.
  • Umidade: Umidade proveniente de trabalhos com água.
  • Térmicos: Tarefas que envolvam agentes térmicos.
  • Químicos: Contato com produtos químicos, como líquidos corrosivos ou produtos tóxicos.
  • Elétricos: Tarefas que apresentem riscos de choques elétricos.
  • Construção: Tarefas que apresentem riscos de derrapagem e que demandam maior aderência.

Por  exemplo, para locais úmidos, o ideal é usar bota de segurança impermeável. Para locais de construção, o ideal é usar bota de obra. Ou seja, cada departamento, demanda de um modelo específico para poder assegurar maior proteção no ambiente de trabalho.

Características

Materiais:

Tipo 1: Calçado totalmente confeccionado em couro

Tipo 2: Calçado totalmente confeccionado em borracha (inteiramente vulcanizado) ou em material polimérico.

Exemplo: Bota em PVC cano longo, etc.

Resistência:

Calçados de segurança (sapato/bota/tênis) contra impacto no bico de até 200 joules e 15 kN de resistência a compressão do bico.

Calçados de proteção (sapato/bota/tênis) contra impacto no bico de 100 joules e 10 kN de resistência a compressão do bico.

Calçados Ocupacionais não apresentam proteção no bico.

   Exemplo: Bota de segurança impermeável

componentes-explicativos-dos-calçados-de-protecao-620x315

→ Como selecionar o calçado certo e como conservá-lo?

Reforçando: O calçado deve ser selecionado de acordo com os riscos aos quais o trabalhador é submetido, a atividade exercida e o piso do local. Outro fator muito importante a ser analisado é se o calçado tem o C.A. (certificado de aprovação).

Para conservá-lo faça o uso de meias de algodão, mantenha sempre seca a palmilha para evitar a proliferação de fungos e mantenha a botina para trabalho sempre em local arejado longe de calor e umidade. Manter o calçado sempre limpo aumenta sua durabilidade.anatomia-dos-pes-como-proteger-os-pes-com-botas-de-segurança-399x315

Clique aqui para saber mais dicas de conservação de calçados de segurança.

→ As obrigações de EPI

Empregador:

Conforme o art. 166 (CLT) a empresa é obrigada a fornecer gratuitamente o EPI adequado e em perfeito estado ao trabalhador.
Também de acordo com o art. 157 (CLT) “é obrigação da empresa cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho.”.

O empregado que deixar de fornecer EPI ou de fiscalizar o uso correto do material está sujeito a multas. Para poder calcular a multa, deve fazer uma conta aplicando o código da inflação listada nos anexos da NR-28, tipo da infração, número de funcionários e o valor da multa por não fornecer EPI será gerado em cima desses dados.

Empregado:

Conforme o art. 158 (CLT) cabe ao empregado observar e colaborar com a empresa na aplicação das normas de segurança e medicina do trabalho. E constituí ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao uso dos equipamentos de EPI, podendo ser advertido com suspensão ou até demissão por justa causa.

Este episódio foi feito para tirar essa e outras dúvidas com relação a bota de proteção. Tem dúvidas sobre outros equipamentos de segurança?

Clique aqui para adquirir botas de proteção para sua empresa.

Sobre o autor

Fernanda Silva

Produtora de conteúdo no Gaveteiro.com.br.

8 comentários

Deixar comentário.

Share This