Construção Civil Dicas do Gaveteiro

Entenda a importância do uso de EPI na sua empresa

Escrito por flavaccaro

Segundo dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, a cada 47 segundos, um trabalhador se acidenta no país. Entre 2012 e 2016, foram quase 3,5 milhões de casos registrados. Essas questões poderiam ter sido evitadas ou minimizadas por meio do uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual).

banner-de-epi-com-produtos-variados-como-capacete-de-seguranca-oculos-e-protecao-em-altura

Pensando nisso, preparamos este post para destacar a importância desses itens e mostrar como o seu uso pode ser incentivado na empresa. Confira!

Qual a importância do uso de EPI?

Garantir a integridade e a saúde do trabalhador

Por meio dos EPIs, a empresa vai garantir que seu funcionário termine sua jornada de trabalho e volte para casa sem complicações, sequelas ou danos à sua saúde.

Esses equipamentos também protegem o trabalhador de doenças ocupacionais que poderiam reduzir sua capacidade funcional durante ou após o período em que está na ativa.

Quando o profissional usa os EPIs, ele está evitando riscos à sua saúde e contribuindo para a própria segurança e qualidade de vida.

funcionários fazendo o uso de epi oferecido pela empresa em que trabalham

Obedecer à legislação

Ao promover o uso de equipamentos, a empresa também está se protegendo perante a lei. Existem diversos dispositivos legais que resguardam o trabalhador e tentam proteger sua integridade física ao realizar suas atividades laborais. Entre eles, encontramos:

  • CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), especificamente na lei n.º 6.514 de dezembro de 1977, artigo 166: obriga as empesas a “fornecer[em] aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteção individual adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento”;
  • Constituição Federal, no artigo 7, item XXII: promove a “redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança”;
  • Norma Regulamentadora n.º 6: impõe às empresas que forneçam “aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento”.

Então, não tem para onde correr. A empresa que não cumpre a legislação poderá ser advertida ou mesmo multada. Caso um funcionário sofra algum acidente no local de trabalho ou contraia alguma doença relacionada à sua atividade e não esteja utilizando um tipo de EPI adequado, que possua o Certificado de Aprovação (CA), ela poderá ser acionada na justiça para reparar o dano, conforme o artigo 159 do Código Civil.

Preservar o nome da empresa

Acidentes de trabalho podem prejudicar a imagem da empresa com a repercussão negativa de notícias na mídia e no mercado. Isso pode comprometer a capacidade da empresa de atrair clientes, colaboradores e parceiros.

Colaborar com um clima organizacional seguro e positivo

O clima organizacional está muito relacionado à satisfação dos funcionários. Resumidamente, quanto mais satisfeitos e confortáveis os profissionais estiverem, mais positiva será a atmosfera dentro da companhia, e isso se refletirá na produtividade deles.

Por outro lado, um ambiente de trabalho inseguro, com casos de doenças e acidentes, reduz drasticamente o nível de confiança e comprometimento dos trabalhadores com a empresa, causando uma sensação de frustração e desmotivação.

Assim, é importante que a companhia realize um estudo de riscos ocupacionais relacionado às atividades realizadas por seus funcionários e tome medidas para eliminar ou reduzir as ameaças. Ao mesmo tempo, é indispensável fornecer os equipamentos que vão garantir maior segurança aos seus funcionários.

No entanto, para que tais iniciativas funcionem, é preciso ter sempre colaboradores empenhados em querer se proteger e, para isso, eles precisam entender a importância do uso correto dos EPIs fornecidos pela empresa. Mas como fazer isso? É o que vamos ver agora!

trabalhador fazendo o uso de epi calçando luvas para proteger as mãos

Como incentivar o uso dos equipamentos pelos funcionários?

Vale lembrar que o uso de EPIs é algo indispensável e obrigatório. A empresa pode advertir, suspender e, eventualmente, demitir o funcionário que não utilizar os equipamentos. Porém, essas são medidas corretivas, e as primeiras ações da organização devem ser no sentido de motivar os funcionários. Para isso, você poderá lançar mão de alguns recursos:

Implemente a CIPA

CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) é um grupo formado por representantes de cada categoria, escolhidos, de modo proporcional, segundo sua área de atuação. Seu objetivo é promover a segurança e a saúde dos funcionários, prevenindo acidentes e doenças decorrentes da atividade laboral. Para isso, a comissão toma as seguintes ações:

  • identifica as ameaças do ambiente e processos de trabalho e traça um mapa de riscos;
  • realiza encontros mensais para avaliar o cumprimento das regras e metas definidas;
  • fornece ao trabalhador informações úteis para que realize suas atividades com segurança;
  • intervém nas atividades da empresa quando forem detectados riscos à segurança dos funcionários.

Assim, caso haja quaisquer irregularidades ou questionamentos sobre os EPIs, os membros e diretores da CIPA farão a devida avaliação e darão os direcionamentos necessários.

Aposte no treinamento

Não se pode negligenciar o valor do conhecimento. Divulgar informações sobre a importância dos EPIs e o modo correto de usá-los é fundamental para conscientizar os funcionários. Campanhas educativas podem ser usadas para esse fim e elas podem englobar:

  • Diálogos Diários sobre Segurança (DDS): pequenas palestras de até 15 minutos, geralmente, realizadas antes do início das atividades com o objetivo de alertar os trabalhadores sobre os riscos e as medidas de prevenção relacionadas;
  • palestras: eventos realizados dentro ou fora do ambiente de trabalho com informações mais extensas e detalhadas sobre os EPIs;
  • sinalização: placas espalhadas no local de trabalho, especialmente em lugares de maior perigo, que lembram o profissional dos riscos;
  • Semana Interna de Prevenção de Acidentes (SIPAT): é uma campanha de 1 semana que visa conscientizar os funcionários dos riscos inerentes à sua atividade, podendo englobar palestras, dinâmicas e dramatizações teatrais — é obrigatória conforme a portaria n.º 3.214 da Legislação Trabalhista.
  • trabalhadores sendo treinados em relação ao uso de epi para protegerem-se contra os riscos dos trabalhos feitos em altura

Nessas campanhas, é preciso mostrar para os profissionais que o seu maior bem é a sua vida e que a maior justificativa para usar o EPI corretamente é a sua integridade física e qualidade de vida.

Lembre-os de que, quando um funcionário se acidenta, mesmo resguardado por lei, ele pode ser prejudicado por sequelas que o impedem de trabalhar. Isso reflete em toda a realidade da família dele, que depende dos seus meios de subsistência.

Leve em conta as necessidades de cada funcionário e função

Para que o uso do EPI seja correto e o funcionário se adapte ao uso, a empresa precisa ajustar-se às necessidades e especificidades de cada profissional. Por exemplo, se um trabalhador tem uma pisada diferente, ele precisa de uma bota diferenciada.

O funcionário não pode e nem deve usar um EPI desconfortável para a sua anatomia e que o machuque. Caso contrário, o próprio uso do equipamento pode prejudicar seu desempenho nas funções, perdendo seu objetivo principal: garantir a proteção do usuário.

Vale lembrar que o técnico precisa aprovar todos os EPIs para que sejam de qualidade, tenham boa anatomia e sejam adequados à função.

Quem ajuda a garantir a importância e o uso dos EPIs em uma empresa?

A empresa possui algumas ajudas para garantir o uso de EPIs apropriados ao seu tipo de atividade. Ela pode contar, por exemplo, com o suporte do técnico de segurança. Uma das suas principais funções é escolher, entre uma gama de produtos certificados, qual é o EPI indicado para a empresa. E cabe à companhia, por sua vez, acatar as sugestões desse profissional especializado.

Além disso, há o CA (Certificado de Aprovação), que garante a legalidade de um EPI. Ele informa também a qual tipo de risco o equipamento fornece proteção, como riscos mecânicos (abrasão, perfuração, cortes) e biológicos (bactérias, vírus, parasitas). Quem faz essa avaliação dentro do CA é o técnico de segurança.

técnico do trabalho treinando trabalhador em relação ao uso do EPI

No entanto, esse documento por si só não atesta que um determinado equipamento é a melhor escolha. Pode ser necessário realizar testes adicionais para se certificar da eficácia do produto em relação à anatomia do usuário, por exemplo. Há empresas, como a 3M, que disponibilizam o fit test para averiguar o conforto e a adequação do funcionário ao EPI.

O treinamento adequado, junto com instrução, sinalização, constante manutenção dos equipamentos e sua boa conservação, vão garantir a segurança dos funcionários em suas atividades de trabalho. Esse é um dos principais motivos para o uso de EPIs.

Além disso, ao cumprir as normas regulamentadoras, a empresa se protege perante a lei e preserva a sua idoneidade no mercado. Portanto, promova essas medidas de proteção e garanta a integridade dos seus colaboradores.

Gostou das informações e deseja receber mais dicas? Então, não deixe de assinar nossa newsletter e receba nosso conteúdo direto na sua caixa de entrada!

Sobre o autor

flavaccaro

Flavia é redatora do Gaveteiro.com.br

Deixar comentário.

Share This