Comércio/Logística Construção Civil Dicas do Gaveteiro Hotel/Restaurante Indústria

Reduzir o afastamento na empresa: saiba como é possível

Escrito por flavaccaro

De acordo com os dados do Ministério do Trabalho, a maior parte dos trabalhadores brasileiros se afasta da empresa devido à dor nas costas. Em 2016, por exemplo, mais de 116 mil se afastaram do emprego por esse motivo. Além disso, as fraturas na perna, tornozelo, no punho e na mão também provocam ausências no emprego. Sendo assim, é importante investir na qualidade de vida e na proteção dos funcionários para reduzir o afastamento da companhia.

Vale lembrar que os aspectos emocionais também influenciam a produtividade do colaborador. Segundo dados da Previdência Social, os casos de estresse, depressão e ansiedade dos profissionais são a terceira maior causa de afastamento no trabalho. Entre 2012 e 2016, por exemplo, foram realizadas mais de 17 mil concessões de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez por esses motivos.

Então, como diminuir a ausência do funcionário na sua empresa? Veja a seguir!

homem-trabalhando-com-protecao-em-altura-e-ergonomia-para-uma-empresa

Por que é importante reduzir o afastamento do profissional?

Como você viu no início do texto, os dados de afastamento nas empresas brasileiras são alarmantes. Essa realidade precisa ser mudada para garantir a produtividade dos funcionários, o desempenho da empresa e o crescimento do país.

Muitos casos são oriundos de problemas desencadeados no ambiente de trabalho como: excesso de pressão, carga exaustiva, prazos curtos para realizar as atividades, falta de apoio ao profissional e ausência de equipamentos adequados de proteção individual do trabalhador. E todos os lados perdem com o afastamento do profissional:

  • o Governo, que precisa pagar benefícios como o auxílio-doença;
  • o funcionário, que tem redução da sua capacidade produtiva;
  • a empresa, que precisa encontrar um novo profissional para desempenhar a atividade ou adaptar os processos enquanto o trabalhador está ausente.

Diante disso, pode-se perceber a importância da companhia investir em práticas que tragam benefícios para o funcionário no que se refere à saúde, bem-estar e segurança no trabalho.

Afinal, muitas vezes é mais difícil encontrar um profissional qualificado para exercer a função, em substituição a um funcionário que ficou doente, do que adotar medidas práticas que favoreçam a qualidade de vida. Confira as dicas a seguir!

Quais as medidas mais indicadas para reduzir o afastamento do trabalhador da empresa?

Algumas estratégias simples são eficazes na hora de diminuir o afastamento do funcionário e melhorar a saúde dos profissionais. E o Técnico ou Engenheiro de Segurança do Trabalho tem papel fundamental nesse processo. Veja:

Criação de programas de promoção à saúde

Esses programas contribuem para que o trabalhador tenha mais consciência sobre os hábitos que podem melhorar a sua qualidade de vida, a fim de aproveitar melhor o tempo com sua família, amigos e na própria empresa.

Os programas de promoção à saúde contribuem para monitorar diversos aspectos do dia a dia do profissional como: a ergonomia no ambiente de trabalho, a alimentação, os excessos que trazem problemas para a saúde do funcionário no futuro, entre outros. Para tanto, deve-se avaliar situações comuns como sedentarismo, uso de álcool ou cigarro e obesidade.

Com base nessas informações, a companhia pode oferecer estratégias que contribuirão para a promoção da saúde. Entre elas estão:

  • palestras de orientação sobre reeducação alimentar;
  • ginástica laboral no ambiente de trabalho;
  • acompanhamento psicológico;
  • parcerias com empresas para oferecer academia aos funcionários;
  • investimento em exames clínicos para avaliar doenças como hipertensão e diabetes;
  • acompanhamento médico e realização de palestras sobre drogas e seus efeitos.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Serviço Social da Indústria (SESI), 43% das companhias registraram um aumento da produtividade da equipe no chão de fábrica e 34,8% afirmaram que medidas de promoção à saúde e segurança no trabalho reduzem os custos da empresa. Então, que tal aplicar essas medidas na sua companhia?

Elaboração de um diagnóstico de riscos

O profissional responsável pela segurança no trabalho também precisa avaliar os riscos do ambiente em que os colaboradores estão expostos. Portanto, é necessário avaliar itens como:

  • a ergonomia dos escritórios, ambientes de produção e laboratórios;
  • o transporte de carga e materiais e a adaptação de situações que estejam em desacordo com as normas;
  • os riscos de doenças por contaminação de produtos químicos;
  • as saídas de emergência da empresa e a acessibilidade desses locais;
  • instalação de EPCs nos espaços que oferecem riscos ao trabalhador;
  • o fornecimento de equipamentos de proteção individual para os profissionais, a fim de evitar acidentes.

Conscientização dos funcionários

Outra medida indispensável para reduzir o afastamento dos profissionais é a realização de campanhas para incentivar o uso de EPIs. Cabe ao Técnico em Segurança do Trabalho mostrar para os colaboradores que esses equipamentos servem para dar segurança a eles e garantir o retorno às suas famílias no final do expediente.

Para os funcionários que trabalham em escritórios, deve-se abordar a necessidade de cuidar da postura durante a jornada de trabalho e dentro de casa. Afinal, ao sentar de maneira incorreta ou utilizar equipamentos que não estão apropriados para a altura do trabalhador, ele corre o risco de sofrer dor nas costas, ter tendinite e outras doenças.

Para tanto, podem ser realizadas palestras com profissionais da saúde, criar informativos com dados sobre acidentes de trabalho e suas consequências para o indivíduo, promover atividades práticas de conscientização, entre outras. Tudo dependerá dos recursos disponibilizados pela empresa e da criatividade do profissional de segurança do trabalho.

Aquisição de EPIs de qualidade

Os equipamentos de proteção individual precisam apresentar um certificado de aprovação, pois esse documento identifica que o produto foi aprovado nas inspeções realizadas pelos órgãos responsáveis.

Portanto, cabe ao profissional de segurança do trabalho fazer uma pesquisa minuciosa sobre os melhores equipamentos disponíveis no mercado e adquiri-los para sua equipe. Além disso, deve-se sempre utilizar o EPI correto para cada atividade que será desenvolvida.

Por exemplo: um profissional que atua com energia elétrica precisará de equipamentos diferenciados daquele que trabalha com produtos químicos. Sendo assim, o profissional de segurança do trabalho precisa adquirir os materiais adequados para cada serviço e fornecer uma orientação detalhada sobre seu uso para os funcionários.

Enfim, é importante lembrar que, ao reduzir o afastamento de profissionais, a empresa garante a produtividade e tem maior rendimento. Este post trouxe um conteúdo interessante para você? Assine a nossa newsletter e receba mais informações como essas em seu e-mail!

Sobre o autor

flavaccaro

Flavia é redatora do Gaveteiro.com.br

Deixar comentário.

Share This