Construção Civil Indústria Manutenção Predial

Veja os EPIs necessários para treinar brigadistas

Flavia Vaccaro
Escrito por Flavia Vaccaro

Os brigadistas têm como principal função prevenir e proteger a sociedade em casos de incêndio. Eles auxiliam a resguardar a vida, o patrimônio e o meio ambiente. Porém, esses profissionais também precisam contar com recursos que garantam a própria segurança. Por esse motivo, cabe ao profissional de segurança do trabalho recomendar o uso de equipamentos para treinar brigadistas e mantê-los em atividade.

imagens-ilustrativa-de-luvas-a-ser-usadas-na-cozinha-epi-em-latex-e-antitermica-mais-usada-na-cozinha-industrial
Os equipamentos de proteção precisam ser confeccionados com materiais que evitam a propagação de calor e ajudam a evitar queimaduras. Sem eles, o profissional não tem condições de trabalhar de maneira adequada.

brigadista-ensinando-funcionario-a-usar-extintor-de-incendio

Quer conhecer os principais equipamentos utilizados para treinar brigadistas? Então continue lendo este post!

Importância dos EPIs para brigadistas

Sempre que uma equipe da brigada militar é acionada, os membros precisam se arrumar rapidamente para atender a ocorrência no menor tempo possível. Por esse motivo, os equipamentos de proteção individual (EPIs) precisam ser fáceis de vestir e apresentar conforto para o usuário.

Os EPIs são equipamentos fundamentais para garantir a segurança dos brigadistas e fornecer a estrutura necessária para combater um incêndio. Eles fazem a proteção dos profissionais contra as chamas e a emissão de gases.

Em um combate a incêndio em floresta, por exemplo, a agilidade da equipe e o uso dos materiais corretos será essencial para proteger a vegetação e os brigadistas. Quando o risco se apresenta dentro da empresa, o profissional precisa cuidar do espaço físico e das pessoas que estão presentes, promovendo a evacuação adequada.

Portanto, o EPI contribui para que o brigadista consiga atuar da melhor maneira possível, prevenindo maiores riscos para todos os envolvidos.

Legislação sobre EPIs para brigadistas

O técnico de segurança do trabalho precisa ficar atento à legislação sobre os equipamentos de proteção individual. A NR 6, por exemplo, determina como necessidade básica para o ambiente de trabalho o uso de equipamentos de proteção para cabeça, tronco, olhos, membros superiores e inferiores.

Sendo assim, os EPIs para treinar brigadistas devem ter essas especificações, mas também precisam conter materiais resistentes às chamas. Por essa razão, não é possível utilizar peças de náilon, por exemplo.

NR 23 normatiza os itens necessários para prevenir e combater incêndios em companhias. Ela determina a instalação de medidas preventivas, como revestimento especial em portas e janelas. Os ambientes também precisam apresentar saídas de emergência, extintores de incêndio e pessoas capacitadas e com roupas adequadas para a função.

Em aeroportos, por exemplo, é fundamental que uma equipe realize treinamentos frequentes e esteja preparada para combater os primeiros sinais de incêndio.

EPIs obrigatórios para treinar brigadistas

Como você pode perceber, os equipamentos de proteção são fundamentais para resguardar a vida do trabalhador. Então, o que acha de conhecer os principais EPIs contra incêndios? Acompanhe!

Roupas compridas

O profissional deve utilizar uma calça e camisa comprida ou, de preferência, um macacão que proteja todas as áreas do corpo. O material da roupa não pode ser inflamável e deve apresentar uma cor chamativa (laranja, por exemplo).

Bota

O brigadista também tem direito de receber um calçado próprio para proteger os pés contra o calor. O mais indicado é utilizar uma bota de couro, com cano alto, solado antiderrapante e palmilha isolante e resistente.

Caneleiras

Para complementar a proteção dos pés, é recomendável oferecer caneleiras rígidas, de preferência de couro, para evitar acidentes.

Luva anti-chamas

O profissional de segurança do trabalho também é responsável por adquirir luvas específicas de proteção contra chamas. Elas precisam ser resistentes ao calor e apresentar mobilidade para a execução de movimentos.

Equipamento de proteção respiratória

Em um ambiente com incêndio, muitos gases tóxicos são expelidos. Por isso, o brigadista deve receber o equipamento adequado de proteção respiratória.

Capacete de combate a incêndio

É importante que o equipamento ofereça proteção para a cabeça em situações de excesso de calor e uso de mangueiras de água. O casco deve ser resistente, com material termoplástico. Também é recomendável que ele possua uma crista longitudinal para proteger o brigadista contra choques.

O capacete ainda tem a função de proteger os olhos do profissional, por isso, ele precisa conter uma viseira refletiva contra o calor.

Capuz balaclava

Ele deve ser utilizado embaixo do capacete para proteger a cabeça e o pescoço do brigadista contra as chamas e faíscas de fogo. Para tanto, o ideal é que seja confeccionado com malha de fibra de meta-aramida ou outro material semelhante.

Alerta de homem morto (Personal Alert Safety System)

Outro equipamento que deve integrar o kit de proteção individual é o Personal Alert Safety System (Pass). Ele emite um sinal sonoro para os casos em que o brigadista não apresenta movimentos. Dessa maneira, a equipe é acionada para verificar a segurança do profissional.

Cabo de vida e mosquetão

Um brigadista nunca sabe onde será a próxima ocorrência. Por esse motivo, também fazem parte do kit de proteção individual o cabo de vida e o mosquetão. Esses itens contribuem para a segurança do brigadista em trabalhos em grandes alturas.

Lanterna

Outro item indispensável para treinar brigadistas é a lanterna. Afinal, é necessário que o profissional esteja preparado para atender ocorrências durante o dia e a noite.

Equipamento de comunicação

Todo brigadista deve receber um sistema de comunicação com a equipe. Ele pode ser um rádio comunicador ou um alto-falante. Por meio desse aparelho, os profissionais poderão trocar informações e tomar decisões urgentes, como a retirada de pessoas do ambiente ou emitir a ordem de abandono de determinado pavimento.

Cabe ao profissional de segurança do trabalho lembrar sobre as demais necessidades para a execução dos trabalhos, como:

  • treinamento adequado;
  • realização de simulados dentro da empresa;
  • aquisição de veículos próprios para a função;
  • compra de mangueiras de combate a incêndio;
  • avaliação médica dos brigadistas;
  • criação de um plano de resposta em casos de incêndio, entre outros.

Enfim, para cuidar de maneira correta da equipe da sua empresa é imprescindível investir em equipamentos de proteção individual na hora de treinar brigadistas e colocá-los em ação.

O que acha de garantir a segurança dos trabalhadores ainda hoje? Acesse nosso site e confira todos os EPIs disponíveis!banner-com-produtos-usados-por-brigadistas

Sobre o autor

Flavia Vaccaro

Flavia Vaccaro

Flavia é redatora do Gaveteiro.com.br

Deixar comentário.

Share This